HOME > ENTREVISTAS > COMUNICAÇÃO

Guido Maia: sempre na renovação do rádio

Publicado em 12/08/2019 às 11:11
Compartilhe Tweet

A entrevista da semana é com um cara que ama música e rádio. Guido Maia faz parte da equipe radiofônica do Grupo Cidade de Comunicação, onde se destaca na Jovem Pan Fortaleza. A seguir, uma conversa sobre carreira, sucesso, futuro e muito mais. “Há situações que podem comprometer a qualidade do nosso trabalho, como, por exemplo, ficar rouco decorrente de resfriados ou gripes e não conseguir ter uma boa qualidade na locução, que, no meu caso, exige muito pela dinâmica da locução padrão, adotada pela Rede Jovem Pan. Existe também o receio de não ser reconhecido profissionalmente. O importante é nunca desistir dos nossos objetivos. Buscar o melhor de mim todos os dias”, afirmou. Acompanhe:

Como nasceu o interesse pela atuação profissional no rádio?

Começou ainda muito jovem, aos 15 anos, com a admiração pelos profissionais do rádio cearense nos anos 80. A comunicação e o carisma dos colegas do AM, o dinamismo do FM.

Quais profissionais te inspiraram?

Gleryston Oliveira, Fran Silveira, Nonato Albuquerque e Edson Silva são alguns nomes.

O que move sua rotina como locutor de rádio para sempre inovar e renovar?

Pesquisar e estudar muito, novos produtos, tecnologias e tendências relevantes para o veículo. Com o advento do rádio digital, que já é uma realidade, precisamos estar atualizados e atentos para as muitas novidades que virão por aí. Posso acrescentar também que ouvir outras emissoras aqui do Ceará, do Brasil e do mundo acrescenta muito aos nossos conhecimentos e aprendizado.

Quais os principais obstáculos de atuar como locutor?

Há situações que podem comprometer a qualidade do nosso trabalho, como, por exemplo, ficar rouco decorrente de resfriados ou gripes e não conseguir ter uma boa qualidade na locução, que, no meu caso, exige muito pela dinâmica da locução padrão, adotada pela Rede Jovem Pan. Existe também o receio de não ser reconhecido profissionalmente. O importante é nunca desistir dos nossos objetivos. Buscar o melhor de mim todos os dias.

A que atribui seu sucesso na Jovem Pan Fortaleza?

Dedicação integral ao meu trabalho. O profissional é o elo entre a rádio e o público. Por isso, exerce um papel de extrema importância para manter a audiência em um bom nível. Além de uma voz agradável, é necessário ter muito conhecimento do que pretende expor ao ouvinte. Dessa forma, terá mais condições de apresentar uma boa performance e obter resultados expressivos. A audiência gera o faturamento para que a emissora possa honrar seu compromissos com funcionários e parceiros.

Como define a importância da Jovem Pan Fortaleza para a nossa sociedade?

De suma importância! Temos de investir numa cultura de valorização deste meio para uma melhoria do nível de seus usuários e daqueles que o fazem para que o rádio não seja palco de proliferação de mensagens preconceituosas e comunicadores inescrupulosos. O rádio é cidadania, verdade, ética e respeito, que sempre farão com que este meio não acabe na luta por uma sociedade bem melhor.

De que maneira avalia esse momento super importante do Grupo Cidade de Comunicação?

Positivamente e muito feliz por fazer parte desta empresa há mais de 20 anos. Grandes conquistas realizadas ao longo dos anos e mais recentemente com a chegada das rádios Jovem Pan News e Jovem Pan Jericoacoara, além de novos programas estreando também na TV Cidade. Realizado por ver o crescimento do Grupo, porém ciente de que muitos desafios ainda estão por vir e sempre contando com grandes profissionais preparados para superar as dificuldades que fazem parte do nosso ofício.

Quais as principais lições profissionais ao longo da carreira?

Em primeiríssimo lugar, a ética profissional para um relacionamento saudável com os colegas de trabalho e nossos superiores. Muito importantes também a disponibilidade e, claro, disposição para atender as demandas diárias da emissora, que são muitas.

Como avalia o segmento radiofônico atualmente no Ceará? 

Com reserva.

Como assim?

Algumas emissoras comprometem seus conteúdos com interesses outros, tirando o foco principal que é o serviço à comunidade com excelência.  O momento é de pensamento coletivo em busca de um bem maior: comunicação democrática, ética e verdadeira. Se este for o objetivo de todos, teremos certamente um crescimento forte do rádio como meio de comunicação e um processo pleno de valorização de seus usuários e dos que o fazem. O rádio precisa ser segmentado e sua programação deve ser pautada no que o ouvinte quer e imagina no processo de comunicação.

Além de locutor, você é um DJ super requisitado. De que forma busca se diferenciar dos demais deejays?

O trabalho como DJ para mim é um grande prazer. O contato com o público, que, pelo rádio, é de forma indireta, é maravilhoso e renova minhas energias. Uma característica que tenho e elogiada pelos colegas da profissão é a seleção das músicas da minha playlist, que faço institivamente e praticamente na hora da apresentação, sem set’s prontos ou músicas já previamente pensadas para tocar na festa ou evento. Fico muito feliz pelo resultado do meu trabalho com DJ e também VJ, tocando com vídeos clips que adoro.

O que não pode faltar em um evento animado pelo DJ Guido Maia?

Mulher bonita, claro (risos). Falando sério: disposição do público para dançar muito e a troca de energia, que é indispensável para uma boa performance. A interatividade com a galera me inspira para uma boa programação e discotecagem. Solta o som, DJ (mais risos).

Como divide o tempo entre trabalho, família e lazer?

Durante a semana, trabalhando com foco em resultados positivos de audiência e como melhor realizá-los. Chegando o final de semana, parada estratégica para o lazer e dedicação integral à família e aos amigos. Uma praia, que adoro, com muito sol de preferência e aquela gelada que ninguém é de ferro somados a um bom papo descontraído me relaxam e com baterias carregadas partimos para mais uma semana com gás total.

Nos momentos livres, como os usufrui?

Adoro ler, mas minha paixão, vou confessar, é assistir filmes de terror (risos), o que me deixa com a adrenalina a mil. Sou cinéfilo assumido, tenho vários filmes em alta definição nos meus HD’s e sempre que posso, claro, fico colado ao meu telão, pois dedico muita atenção aos filmes que vejo para comentar com família e amigos, digamos um crítico improvisado de cinema (mais risos). Adoro viajar, é uma terapia incrível.

Conta como cuida da forma e da cabeça!

Nunca fui muito adepto a academias, gosto mesmo é de uma boa caminhada e uma corridinha básica, sem forçar muito. Sempre curtindo uma boa música pelos fones ligadaços na programação da Jovem Pan Fortaleza. Sou muito fã da programação da 89 FM. Tenho um carinho especial com a Cidade FM, onde tudo começou a convite do saudoso amigo doutor Miguel Dias, que Deus o tenha em bom lugar, no início dos anos 90, sem esquecer as demais emissoras do Grupo Cidade que ouço com muito prazer, pois me fazem muito bem à mente e ao corpo.

Como avalia o atual momento político e econômico nacionalmente?

Com preocupação. A nossa economia segue com um ritmo ainda lento, e já estamos quase no final do primeiro semestre. A fraqueza atual da economia fica evidente pelos indicadores da indústria e do comércio. Por ora, esses números mostram apenas uma recuperação das perdas observadas no fim do ano passado ou um crescimento modesto; o que, na avaliação dos analistas, não indica uma atividade econômica em forte aceleração. Com a aprovação de uma reforma da Previdência, deve haver uma aceleração dos investimentos, puxando o crescimento do PIB no segundo semestre. Evidente que a instabilidade política causa “incertezas” na economia. Espero que os rumos do País, para o bem geral da nação, sejam melhores planejados pelos nossos governantes e que não sirvamos de chacota mundo afora.

Para finalizar, quais os planejamentos para o futuro pessoal e profissional?

Costumo dizer que o futuro a Deus pertence, tenho muitos planos e sonhos ainda a serem realizados na minha profissão. Quero fazer parte da digitalização do rádio, como no passado participei de diversas mudanças tecnológicas, citando algumas a do vinil para o CD. Saímos das famosas cartucheiras para o computador com automação digital. Enfim, temos muito ainda que aprender e, quando solicitado, passar com muito prazer, toda nossa experiência nestes quase 30 anos dedicados ao rádio e ao entretenimento. Que Deus abençoe a todos!


PUBLICIDADE