09/06/2020 05:07
Coração: a única coisa que não pode ser colocada na sua empresa
É muito importante que você, como empresário(a), dedique seu tempo, esforço, trabalho ao seu negócio, porém talvez, não seja uma boa ideia colocar o coração...

Homens e mulheres de negócios são pessoas responsáveis por difíceis tomadas de decisões em uma corporação e, claro que o objetivo é que essas decisões sejam, na sua grande maioria, assertivas.

Em uma negociação, certamente devem existir interesses mútuos entre os dois lados. Quando um negociador se sensibiliza com coisas relacionadas à emoção, ele tende a fechar o negócio em desvantagem, o que consequentemente vai lhe representar algum problema a curto, médio ou longo prazo.  

Conheci uma vez um grande empresário aqui no Brasil chamado Andrew, que tem muito a nos ensinar sobre decisões baseadas em sentimentos e o quanto isso lhe custou.

Luciano era o nome de seu novo motorista que estava substituindo o antigo. Logo no período de experiência, Andrew percebeu alguns deslizes de regras de trânsito, mas preferiu relevar. Ao longo do primeiro mês, Andrew viu o quanto Luciano era uma pessoa boa, pai de 5 filhos, morava de aluguel, alguém bem necessitado do emprego, pois era sua única fonte de renda.

Mas, ao longo desse mês, além de conhecer a história difícil de Luciano, Andrew também percebeu o quanto o novo motorista era irresponsável no trânsito e despreparado. E logo viu que o seu motorista não tinha perfil para a função que estava exercendo, pois estava sempre colocando sua vida em risco.

Conduzido por seu coração, Andrew decidiu conversar com Luciano e pontuar todas as suas falhas como motorista. Mas o período de experiência estava por findar e ele continuava a cometer os mesmos erros.

As chances que Luciano recebeu de seu patrão não tinham ligação com o grau de competência de seu funcionário, mas sim da situação como pessoa de seu funcionário, dando-lhe chances, torcendo para que Luciano conseguisse se superar e vir a se tornar um profissional competente no seu ofício, para que sua família tivesse um pai empregado provendo suas necessidades.

Mas um dia, no caminho entre a sua residência e o trabalho aconteceu um grave acidente onde quase lhe custou a vida pela gravidade do acidente, e na investigação a perícia divulgou o resultado da causa que deixou Andrew apavorado: imprudência do motorista. E mais, ao analisar a documentação do causador do acidente a perícia descobriu que Luciano nunca havia tirado sua habilitação e a que ele possuía era falsa.

Andrew, mesmo já sabendo que seu motorista não tinha um perfil para o cargo, se deixou levar pelo coração acreditando que estaria ajudando, mas sua decisão emotiva quase lhe custou a vida!

No mundo coorporativo é muito comum essa ligação de sentimentos, muitos empresários acabam colocando o coração em suas empresas.

Precisamos ter clareza sobre essa abordagem para que faça sentido: É muito importante que você, como empresário(a), dedique seu tempo, esforço, trabalho ao seu negócio, porém talvez, não seja uma boa ideia colocar o coração, pois onde está o seu tesouro está também o seu coração.

Todas as relações e decisões corporativas devem ser racionalizadas pela razão!

Empresas pequenas, médias ou grandes sempre têm os mesmos destinos: serão vendidas, herdadas ou poderão falir um dia. Vejamos caso a caso:

Herdar

Quem construiu uma empresa de sucesso teve que trabalhar muito e só quem chegou a esse patamar sabe o quanto foi difícil e o quanto seria realizador saber que seus sucessores deram continuidade ao seu legado e sua história.

Temos aqui no Brasil um bom exemplo de grande empresa que foi herdada e seus sucessores deram continuidade e seguem crescendo até os dias atuais: o grupo Telles, da cachaça Ypióca.

Inovação, empreendedorismo e compromisso socioambiental são características que definem o Grupo Telles. Cinco gerações marcam a história da mais antiga empresa em atividade no Brasil, nas mãos de uma mesma família.

Tudo começou em 1843 com a vinda do português Dario Telles de Menezes para o Brasil, que trouxe consigo um alambique de cerâmica com o qual, já instalado na cidade de Maranguape, na fazenda Ypióca, iniciou a produção de aguardente de cana de açúcar no ano de 1846.

A partir de 1895, a segunda geração da família Telles Dario Borges Telles assume o controle e moderniza o processo de produção. E assim como seu pai, nomeia seu filho mais velho, Paulo Telles Campos como seu sucessor.  

Atualmente a empresa está na quinta geração, não para de crescer e a diversificar seus negócios no mundo.

 

Vender

Diferente do que muita gente imagina, vender uma empresa pode ser algo muito bom! Devemos empreender e construir uma empresa para ser vendida ou como se fosse vender para alguém! A lógica é simples: você compraria sua própria empresa? Se você mesmo não compraria, por que será, que outra pessoa poderia comprar?

Normalmente vender empresas significa antecipar anos de lucros sem precisar trabalhar e certamente quem vender vai estar muito bem para dar outros voos no mundo empresarial. E é bem verdade que outras pessoas acabem vendendo suas empresas por motivos que não são nada nobres, talvez até por necessidade de salvá-la de situações adversas, mas independente do motivo, quando se tem o coração entregue à empresa, esse processo de desligamento emocional pode se tornar muito mais difícil.

Existem casos que o dono está tão ligado emocionalmente ao negócio que acaba perdendo grandes chances de fazer um bom negócio na hora que surge alguma oportunidade, ou até sabota oportunidades que poderiam ser bem lucrativas.

Esse não foi o caso de Flavio Augusto, que preparou sua empresa "Wise Up", a tornou uma grande empresa, fez muito sucesso e quando surgiu a oportunidade,  negociou e a vendeu.

Foi em 2013, no ápice, a Wise Up tinha 393 filiais e foi vendida para o Grupo Abril Educação por R$ 877 milhões. Mas dois anos depois, em crise, ela foi oferecida novamente a Flavio Augusto, que aceitou recomprá-la por um valor bem menor, R$ 398 milhões, em dezembro de 2015.

Flávio Augusto vendeu 35% da Wise Up para o fundador da Wizard, Carlos Wizard, que pagou R$ 200 milhões pela sociedade - O empresário Carlos Wizard Martins — fundador da rede de escolas de idiomas Wizard, que atualmente pertence à Pearson.

Nesse caso de Flavio Augusto a venda da sua empresa abriu as portas para o mundo, e logo em seguida o empresário comprou um clube de futebol nos Estados Unidos e não parou mais de crescer!

Falir

Infelizmente a falência de uma empresa é algo que não podemos prever se um dia vai acontecer ou não, mas que é uma probabilidade eminente com certeza é, pois empresas são negócios de alto risco agregado.

Existe uma série de fatores que pode levar uma empresa à falência. Um dos maiores motivadores é a má gestão, e outros  inúmeros fatores, como a falta de planejamento, guerra de preços, clientes insatisfeitos, funcionários sem comprometimento.

E o grande problema dessa situação é que o empresário em sua maioria muito resiliente, persistente, sempre muito otimista acaba confundindo persistência com insistência e muitas vezes quando a empresa começa a descer a ladeira e pega velocidade, nem sempre pode compensar correr o risco para salvá-la.

É justamente nesse momento que essas pessoas, por terem o coração na empresa, acabam tentando salvar e morrendo junto com suas empresas.

Empresas são fontes de renda, e se por acaso essa fonte vem a secar, deve-se buscar outra. O que não vale a pena é acreditar que a vida acabou porque a fonte já não jorra mais.

Desistir nunca foi uma opção! Abrir mão de uma empresa porque deu errado, não quer dizer que você esta desistindo.

Quantas histórias de pessoas de grande sucesso você conhece que já quebraram, talvez até várias vezes, e surgiram logo depois muito mais fortes?

A vida é feita de ciclos: tem começo e fim.

Em tudo o que decidir fazer, faça de coração, com determinação!  Acredite em você, acredite na sua intuição, e dê menos importância ao que os outros acham ou pensam de você, mas não coloque seu coração em coisas.

Não tenha medo de fracassar, todas as pessoas de sucesso já passaram por vários fracassos. É como se o sucesso fosse a consequência de vários pequenos fracassos anteriores.

"O insucesso é apenas uma oportunidade para recomeçar com mais inteligência.” - Henry Ford      

 

20/05/2020 12:43
Veja 5 dicas para saber se você tem o perfil para ter sua própria empresa
Em meio à grande crise atual instalada decorrente da pandemia, empresas fecharam ou reduziram suas equipes e muitas pessoas já perderam seus empregos. O que fazer então?

Líder mundial no ranking do empreendedorismo, o Brasil bateu recorde em 2015 com profissionais que estavam apostando em um negócio próprio. No mesmo ano, três em cada 10 brasileiros eram empreendedores. Em 2019, o país atingiu o número de 52 milhões de brasileiros que possuem negócio próprio. Em 2020, quatro em cada 10 brasileiros já são empreendedores, isso quer dizer que em 2021 esse número deve decolar e bater novo recorde.

Em meio à grande crise atual instalada decorrente da pandemia, empresas fecharam ou reduziram suas equipes e muitas pessoas já perderam seus empregos e outras ainda estão prestes a perder.

Com isso, essas pessoas devem buscar formas de ter uma renda alternativa para seus sustentos. E aí será a ocasião onde surgirão muitos que irão empreender por necessidade.

Apesar de motivados a empreenderem pela necessidade, essas pessoas estarão diante da grande chance de suas vidas, e vão poder enfim mudar suas histórias, pois empreendendo irão perceber que quanto mais trabalharem, mais terão chances de melhorar seus resultados. E isso só vai depender da própria pessoa.

Mas para tudo isso dar certo, esses empreendedores precisarão ser bons ou aprender sobre esses cinco pontos listados em seguida:

1. Planejamento

Os novos empreendedores não poderão mais ser aventureiros, desorganizados e indisciplinados acostumados a tocar o negócio sem nenhum planejamento. Por mínimo que seja, diante da situação reversa atual, é preciso que haja planejamento!

Essa será uma habilidade indispensável, pois sem isso, certamente o negócio deverá entrar nas estatísticas das empresas que deixam de existir nos dois primeiros anos de vida, como aponta relatório feito pelo Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), sobre o percentual de sobrevivência de empresas no Brasil, que diz que de cada quatro empresas abertas, uma fecha antes de completar dois anos de existência no mercado.

Planejar é enxergar a corporação a longo prazo; é construir um futuro corporativo; é decidir no presente para executar no futuro estabelecendo metas saudáveis e alcançáveis para a construção de um futuro.

2. Liderança

A liderança está associada à capacidade de influenciar pessoas, sendo o próprio exemplo para seus liderados, devendo ser fonte de inspiração para seus colaboradores e atitude inovadora. Seus liderados aprenderão com o seu comportamento, exatamente com suas ações, com o que você faz e não apenas com o que você fala.


Para se tornar um bom líder, o empreendedor deve ser um bom ouvinte, saber chamar a atenção e não perder a oportunidade de validar e elogiar sempre em público sua equipe. O líder nada mais é do que um vendedor de missões, transformado seus liderados em seguidores e fãs da corporação. É saber tirar o melhor de cada um, aproveitando as qualidades de seus liderados, potencializando e convertendo em resultados para a corporação e consequentemente para todos.


3. Habilidade de adaptação

As empresas e o mercado são totalmente mutáveis e a cada dia essas mudanças têm acontecido com mais constâncias. Corporações e gestores precisam se tornar peritos em adaptação.

Estamos vivendo exatamente esse momento, onde do dia pra noite empresários do pequeno ao grande zeraram seus faturamentos, empresas que na sua grande maioria foram impedidas de funcionar de forma presencial. Empresários vendo seus faturamentos ir por ralo abaixo.

E aí ? O que fazer então diante dessa dinâmica surpresa desagradável para salvar sua empresa? Como será o comportamento dos seus clientes em alguns dias futuros?

Precisamos enxergar o que ninguém mais vê. O futuro no presente faz parte da vida de um empreendedor. Não adianta ficar na zona de conforto e resistir às mudanças, pois quanto maior a zona de conforto mais estagnado será o seu negócio. Empreender não é nada confortável, nada fácil e muito menos lugar de pessoas que buscam segurança e estabilidade.


4. Gestão


Não é nada comum empreendedores tradicionais terem uma boa relação com a gestão de seus negócios. Mas para alguns empreendedores, administrar um negócio não é nada prazeroso e parece ser algo muito chato cuidar de tantos números.

A gestão de um negócio é algo importantíssimo para o sucesso de uma corporação. Não adianta todo o organismo da empresa funcionar sem que haja gestão. É como se a roda não rodasse.

A gestão empresarial relaciona vários atributos desafiadores como: gestão de pessoas, contas a pagar e a receber, Recursos humanos, controlar números gerais, estabelecer metas e avaliar resultados. No caso de um pequeno negócio isso também acontece, mas em menores proporções.

5. Conhecimento tecnológico


A tecnologia e a internet são excelentes ferramentas que podem auxiliar no crescimento e desenvolvimento de uma empresa. Há mudanças o tempo todo nas tecnologias, afetando diretamente a produtividade e a eficiência das empresas, pontos importantes para o funcionamento e sobrevivência de qualquer organização no mercado.

Somente em  2019, as empresas de e-commerce apresentaram faturamento de aproximadamente R$ 75 bilhões, ou seja, algo em torno de 10% do PIB nacional foram movimentações eletrônicas em lojas virtuais ou qualquer outro tipo de negócio relacionado à compra e venda na internet. A tendência é crescente nos números. Um negócio que não tem uma artéria tecnológica pode estar com os dias contados.

Em corporações maiores, tecnologia e internet são indispensáveis. A tendência é que todos os equipamentos físicos tenham uma versão virtual, pois estruturas virtuais trazem vantagens competitivas infinitamente maiores do o modelo convencional.

Grande exemplo disso são as instituições financeiras como os bancos convencionais, que têm tido muita dificuldade em criar diferenciais para competirem com os bancos virtuais. É discrepante a diferença dos custos, estrutura física e, a cada dia, se torna mais caro. Enquanto que a estrutura virtual tem baixo custo e acaba refletindo no preço do produto, mudando o posicionamento do cliente. Hoje o mundo já opta pelas compras online por vários motivos dentre eles a comodidade, facilidade, agilidade e preço mais atrativos.

Ja chegamos no futuro e ele é virtual! As empresas precisam se adaptar ao "novo" para não serem esmagadas pelos próximos empreendedores que estão por vir.

 

28/04/2020 11:17
Habilidade de adaptação: o diferencial competitivo das pessoas modernas
No meio empresarial e econômico nunca foi tão imprescindível as pessoas e as empresas se adaptarem de forma tão rápida da noite para o dia.

No meio empresarial e econômico nunca foi tão imprescindível as pessoas e as empresas se adaptarem de forma tão rápida da noite para o dia.

Se pararmos para analisar, o virtual hoje está sendo o nosso meio de contato primordial e o que está fazendo com que não paremos de fato. Reuniões com clientes, colaboradores, fornecedores, etc. Tudo por videoconferência.

Apesar de estarmos numa era tecnológica, onde supostamente o virtual deveria estar em primeiro plano, ao pararmos para pensar em tudo o que está acontecendo, percebemos que o mundo como um todo parece estar um tanto estranho, não é verdade?

Ao deixarmos um pouco de lado o mundo real, podemos ver, por exemplo, que aquele senhor da terceira idade, que não imaginávamos que pudesse se adaptar às novas tecnologias e acabou nos surpreendendo quando observamos o quanto de habilidades ele tinha com as mudanças além do seu "tempo". Outro exemplo disso são as redes sociais, que muitas pessoas idosas estão inseridas e acompanhando as novidades e as tendências digitais.

Parece loucura, mas aquele mesmo senhor de idade já nos ensinava muito sobre tudo o que é novo e a como devemos nos adaptar às mudanças repentinas do mundo.

Mundo empresarial

As empresas físicas mais tradicionais que desejem crescer e se especializarem digitalmente, mas que ainda não estão preparadas, vão ter que "descer do muro"  o mais rápido possível, caso contrário a alternativa será sumir para sempre.

Ou vai ou racha

O mercado online deixou de ser o segundo plano das empresas. Essa transformação tem acontecido mais rápido do que imaginamos. Um exemplo bem atual são os bancos digitais, que têm incomodado e muitos os bancos convencionais, pois oferecem diferenciais mais competitivos.                           

Uma coisa é a empresa ter grandes investimentos com estrutura física e custos altíssimos, contra o sistema tecnológico que tem feito mais com menos, gerando o máximo de resultado com o mínimo de recurso possível e realizando uma grande escala de resultados.  

Nesse novo cenário, as lojas físicas serão readaptadas como espaços de experimentação de produtos, mas as vendas ou serviço migrarão mais rápido do que se imaginava antes para o online.

O cliente mudou

As lojas Starbucks, por exemplo, foram reabertas na China, porém o movimento sofreu uma redução de 40%. As pessoas não consomem mais na loja, compram e vão embora (sistema to go). A empresa está tendo que rever o modelo e reduzindo o espaço de convivência.

Os gigangtes também caem

Os grandes varejistas americanos já demitiram mais de 1 milhão de pessoas e devem recontratar somente 85% deles na pós crise. A explicação é que o comércio convencional vai sofrer grandes reduções. E as seguradoras deverão se reinventar completamente.

Conhecimento sem limite

A educação online está cada dia maior no meio da crise. É como se as pessoas já tivessem preferido a partir de agora estudar apenas de forma virtual. As formas de aprendizado serão fortemente impactadas. Cursos de culinária, costura, línguas, dentre outros já são uma febre em meio a pandemia. Uma oportunidade para oferecer serviços nessa "nova" plataforma.

Fazer caixa sem dinheiro

Crescer o fluxo de caixa com estratégia de fazer mais com menos onde se recebe do cliente e só depois paga ao fornecedor. A prática é muito comum no mercado online a exemplo do marketplace, onde você ganha usando o dinheiro do seu fornecedor ou parceiro.

Com dependência não tem liberdade

Os Estados Unidos desenvolveram uma cadeia de supply com a China nas últimas décadas que fez com que os americanos perdessem capacidade tecnológica de fabricar no país. O que por um lado trouxe conforto e comodidade, por outro fez com que perdessem liberdade em criar novas tecnologias próprias. E a partir dessa crise, os EUA precisarão se reinventar para serem mais independentes tecnologicamente.

O mundo já é digital

Não existe empresa ou setor econômico que possa ser tão incrível ou gigante que possa cometer o pecado de acreditar em não ter a necessidade de investir no digital. Quem pensar assim deve estar com os dias contados!

Novo viajante

Hábitos de viagem mudarão radicalmente. As viagens de negócios serão substituídas pelas videocalls. Viagens de lazer serão mais no âmbito nacional, priorizando a natureza em lugares com baixa concentração de pessoas, e, acredito que até mesmo antes dessa nova realidade in loco, as pessoas deverão viver várias experiências virtuais antes de conhecer o destino escolhido para sua viagem de lazer.

Prepara-se!

A partir de então devemos nos preparar para vários outros colapsos como o corona vírus ao ponto que as próximas crises o impacto deverá ser menos impactante por estamos mais adequados ou preparados;

Dividor de águas

O modo de viver, de se relacionar, de trabalhar, vai mudar tanto que nós dividiremos a história em "Antes do Corona" e "Depois do Corona".

A crise que cria                                               

Essa crise veio com grandes aprendizados e oportunidades de crescimento, com grandes revoluções na educação e na saúde de forma online para atender a demanda da população.

Estratégias para controlar as pessoas

Direitos individuais x saúde será um dos grandes debates no mundo à medida em que rastrear individualmente cada pessoa será uma das estratégias mais eficazes de controle de epidemias, mas poderá ser usada pelos Governos para controle das pessoas.

Novo cliente

O consumidor foi "forçado" a se adaptar nesse momento para o comércio online. As empresas que conseguirem proporcionar uma experiência muito boa em todos os aspectos não perderão esse cliente para as lojas físicas após a pandemia. Ao contrário, as empresas que se mostrarem despreparadas perderão espaço absurdo.

O poder da informação

Após várias revoluções já vividas como a revolução industrial e muitas outras, vivenciamos atualmente de forma inesperada e revolução da informação. Quem a tem transforma em dinheiro e poder.

PPS (Perguntas poderosas de sabedoria)

Será mesmo que a profissão que estamos escolhendo hoje irá existir daqui a 5 anos? Como serão os novos alunos? Será que saberão mais que os professores? Quais as habilidades que teremos que ter para garantir nosso espaço nesse mundo? Como será a consulta com o médico em poucos anos. Será mesmo preciso ir ao hospital?

E se como num passe de mágica você conseguisse consertar seu carro pela internet? Como seria receber pizza em casa no vigésimo andar pela janela através de um drone? Tudo isso já está acontecendo. O mundo em transformação requer pessoas preparadas para tudo isso. Utilize tempo livre para construir o futuro que já bate na nossa porta.  

“Não é o mais forte da espécie que sobrevive e nem o mais inteligente, mas o mais receptivo às mudanças”  - Charles Darwin.

06/04/2020 12:02
O mundo parou! E agora?
A pergunta é: o que temos feito para atravessar essa crise e surgirmos lá na frente mais forte do que entramos?


Vivemos momentos difíceis, o mundo inteiro parou! Estamos cercados por incertezas, insegurança, desespero e principalmente cercados de informações pouco animadoras.

Em tempos de crise, surge a dor do preço de ter que viver todo o caos, nossa economia descendo ladeira abaixo, nossos negócios já não têm mais como suportar a tal recessão.

É certo que muitos não irão suportar a essa tormenta.

Dormimos em um mundo e acordamos em outro mundo, e agora? O que vai ser de nossa vidas?

Estamos presenciando empresas fazendo demissão em massa, pessoas cometendo suicídio e não são poucas as pessoas que já estão passando extrema necessidade.

Tudo isso tem sido muito difícil de suportar, mas desistir não é a decisão mais sensata para o momento.

Precisamos enxergar uma árvore onde só tem semente e terra. Precisamos perceber o imperceptível. Precisamos nos tornar peritos em adaptação. Nosso poder e facilidades de nos modelar com o novo mundo têm que ser mais rápidos do que as mudança do nosso mundo atual.

E se como num conto de fadas tivéssemos a oportunidade de olhar para o lado bom do caos? Mas como assim?

Acreditando que todo ganho tem uma perda, também toda perda tem um ganho! O que nós perdemos com essa crise? Certamente todos perdemos muitas coisas e muita gente já perdeu tudo, pois tudo que se tinha para sustentar a família era o emprego que foi o primeiro a ir embora.

Agora faremos o inverso, o que ganhamos com tudo isso? Estamos tendo mais tempo para nossa famílias, tempo para pensar em um novo recomeço, estamos com tempo para aprimorar nossos conhecimentos e até de fazer o que nunca havíamos feito antes.

A pergunta é: o que temos feito para atravessar essa crise e surgirmos lá na frente mais forte do que entramos?

Estamos diante da grande oportunidade da nossa vida que é escrever uma nova história com grandes conquistas! Não estou aqui falando de teorias da boca pra fora, mas falando com a alma, pois nesse momento também tenho sofrido muito com tudo isso! Toda a nossa estabilidade empresarial que foi construída ao logo de décadas foi comprometida e posta à prova em poucos dias.

O sentimento que tenho é que embarcamos na arca de Noé e ao passar a tempestade e as águas baixarem iremos desembarcar em um novo mundo, mundo de oportunidades e muito mais verde.

Então temos a necessidade de vivermos esse momento e nos prepararmos para esse novo mundo, aproveitar esses momentos que todos nós temos agora para desenhar um novo futuro.

Foi exatamente o que fez o físico, astrônomo e matemático inglês Isaac Newton ao ter que ficar confinado em casa devido a grande praga de 1665. Ele não desanimou e decidiu mudar a historia de sua vida descobrindo algo que seria um legado para ele e a vida de todos nós com a descoberta das leis da gravidade, da ótica e com a invenção do cálculo.

É no fogo que o ferro se molda, é no inferno que enxergamos o paraíso e é na dificuldade que surge a nossa melhor versão. A dificuldade nos potencializa e surgimos pessoas muito mais fortes!

A crise segundo Albert Einstein, é uma das maiores bençãos que podem acontecer às pessoas e aos países, porque a crise traz progressos.

A criatividade nasce da angústia, como o dia nasce da noite escura. É na crise que nascem as invenções, as descobertas e as grandes estratégias. Quem supera a crise, supera a si mesmo sem ficar ‘superado’. Quem atribui à crise seus fracassos e penúrias, violenta seu próprio talento e respeita mais os problemas do que as soluções.

A verdadeira crise é a crise da incompetência...

Sem crise não há desafios; sem desafios, a vida é uma rotina, uma lenta agonia. Sem crise não há mérito.

É na crise que se aflora o melhor de cada um!

Que possamos crescer como pessoas, funcionários, empresários, sociedade, seres espirituais, humanos, trazendo a transformação a todas as áreas da nossa vida!

Que esse momento seja um divisor de águas em nossas vidas e que, a partir de então, estejamos preparados para o novo mundo, e lá na frente possamos olhar para trás e vermos que tudo valeu a pena!

13/03/2020 11:42
Mais vale um quilo de ação do que uma tonelada de teoria
A oportunidade é o ar que passou, quem respirou pegou.

Diante de uma realidade atual em que as pessoas buscam, incansavelmente, ter suas liberdades profissionais, financeiras e econômicas, acabam esquecendo de colocarem em prática o que já se têm de conhecimento.

Todos nós temos conhecimento suficiente para aplicar em algo, seja um pequeno negócio ou algo maior, mas a grande verdade é que temos sim algum tipo de conhecimento para fazer acontecer.

É muito comum que nessa busca diária pelo sucesso possamos vir a sentir frio na barriga diante do novo, seja devido a um novo emprego, um novo negócio ou até mesmo uma transição para essa tão sonhada busca pela liberdade financeira. A boa notícia é que o frio na barriga é muito importante, pois é essa sensação que pode ajudar a fazer a chave virar e ao mesmo tempo, é esse “medo” que nos controla, que nos faz ser mais prudente e a respeitar os limites.

Já aconteceram muitos casos onde as pessoas me procuraram com esse desejo de se libertarem da ‘CLT’ para empreender, serem donos do próprio negócio. Acho isso muito legal, mas o que mais me assusta é quando a pessoa está tão encorajada e sem nenhum medo dessa transição, e mais ainda, a grande maioria desses pessoas nunca empreendeu, nunca teve uma experiência com algo de alto risco e nem muito menos tem alguma noção de gestão.

A capacitação antecede a ação! Se preparar para agir é um grande diferencial, porém não podemos nos sabotar e acreditar que precisamos passar a vida inteira nos preparando e sempre procrastinando a ação, pois é melhor feito do que perfeito!

A oportunidade é o ar que passou, quem respirou pegou. Estarmos preparados para as oportunidades é tão importante quanto estarmos preparados para agirmos.

Vou compartilhar com vocês algo que aconteceu comigo, em meados de 2013, uma oportunidade. Uma pessoa me ofereceu um negócio na aérea de combustível, seria uma revenda de combustível na cidade. Lugar muito bom, mas meu grande problema seria o capital financeiro e o conhecimento que eu não tinha.

Dessa grande oportunidade eu pedi sete dias para dar uma resposta. Nesse período, criei uma estratégia para o aporte financeiro e busquei o mínimo possível para tocar o negócio. Consegui entender que para tudo aquilo que não era do meu conhecimento, eu poderia contratar alguém para fazer. O que preciso ser perito é na gestão do negócio, independente do produto ou seguimento, você está pronto para fazer a diferença! Foi arriscado? Sim! Mas não há vitórias sem riscos. Eu sentia que daria certo e foi o que aconteceu. Segui minha intuição, meu feeling, busquei as soluções que tinha e coloquei em prática.

Isso acontece comigo sempre. Me deparo com pessoas super capacitadas, posso dizer qualificadíssimas, porém adormecidas, paralisadas e com uma ideia equivocada, acreditando ainda que não estão preparadas. Asim como me deparo com pessoas sem qualificação, muitas vezes sem noção nenhuma do seguimento ao qual está iniciando, mas ao andar da carruagem percebemos o quanto tudo se ajusta e tudo acontece!

Você está decido a realizar algo e está disposto a buscar uma mudança de vida independente da sua condição ou capacidade? Se sim, certamente vai definir seu futuro, porque mais vale o que eu acredito do que o que eu sei.

O nosso poder está nas nossas ações!

04/03/2020 11:58
Vale a pena empreender no Brasil?
A resposta é sim, vale muito a pena empreender, mas não é nada fácil.

A resposta é sim, vale muito a pena empreender. Certamente não é nada fácil, existem obstáculos no mundo do empreendedorismo, mas com muita força de vontade, foco, determinação e conhecimento valerá muito a pena.

O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro cresceu 0,6% no 3º trimestre de 2019, na comparação com o 2º trimestre, puxado pelo consumo das famílias e pelo investimento privado, segundo divulgou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em valores correntes, o PIB totalizou R$ 1,842 trilhão.

A maior riqueza de um país é gerada através de negócios, isso quer dizer que não só o Brasil mas o mundo inteiro respira empreendedorismo.

Todo negócio é acompanhando de riscos. Pela lógica, quanto maior for o risco, maior poderá ser a margem de lucro ou o seu retorno.

No mundo dos negócios sai na frente quem tem o melhor diferencial, a melhor estratégia, a melhor oportunidade, visão, conhecimento e, certamente já nos deparamos, em algum momento, com pessoas que desejam muito empreender, ter sua liberdade financeira, mas nem sempre conseguem identificar o momento certo para iniciar o negócio. Muitas acreditam que não estão preparadas para dar o pontapé inicial.

O conhecimento é extremamente importante no processo do empreendedorismo e, com certeza, faz muita diferença. Mas o que temos visto são pessoas que desejam iniciar um projeto de liberdade financeira, mas acabam se sabotando, acreditando que ainda não estão prontas, que precisam realizar mais cursos, treinamentos, ter mais tempo e mais isso, aquilo, e acabam não dando início e deixando o sonho para amanhã.

A oportunidade é o ar que passou: quem respirou, pegou! O melhor momento para o seu momento, é agora! Você nunca vai encontrar o momento perfeito para empreender, o que vai existir será somente a sua decisão, seu feeling.

Mais vale o que você acredita do que o seu saber

Quantas pessoas talvez você conheça que não têm tanto conhecimento, mas são bem-sucedidas? E quantas pessoas são excelentes profissionais, estudadas, com grande habilidade em uma determinada área, mas não saem do lugar em que estão e não evoluem? Claro que ser perito na sua área é um super diferencial para qualquer negócio, mas vá lá e faça acontecer! Porque mais vale um quilo de AÇÃO do que uma TONELADA de teoria.

O processo de empreendedorismo é muito intuitivo e a ideia que você acredita tem muito valor, na dúvida melhor não arriscar.

Enquanto estivermos esperando o momento perfeito nada acontecerá, pois não existe cenário perfeito para empreender, o que é relevante é o desejo de começar. O processo é simples: pensa, planeja e executa.

Muitas vezes deixamos de realizar nossos sonhos por não querermos correr riscos. Mas é como que sem riscos não tivesse glória, é apostar em uma ideia ou visão onde ninguém acredita, mas nossa convicção não nos deixa falhar. Empreender é correr riscos!

O resultado de todo grande empreendimento no mundo foi porque alguém colocou uma ideia em prática, correndo riscos. Não me refiro à aventura insana de correr risco sem planejamento, mas de correr risco calculado, com coerência para realizar algo grande que se torne um legado na sua vida. Risco calculado é compensador.

Empreender transforma vidas!

27/02/2020 10:17
O sucesso está do pescoço pra cima
O que você tem feito do seu tempo?

Absolutamente tudo que existe, materialmente falando, foi criado primeiro na mente de alguém. Toda a matéria ao nosso redor é resultado de uma visão, ideia, pensamento, sonho e até mesmo algum insight.

Muitas pessoas trabalham vendendo seu tempo, o que é algo muito limitado, pois só existem 24 horas no dia. Apesar de o tempo ser extremamente democrático por ser igual para todos nós, eu, você e até a pessoa mais rica ou mais poderosa do mundo temos as mesmas 24 horas diariamente. A diferença é como cada um faz uso dessas preciosas horas.

Você já parou para perguntar quanto custa a sua hora de trabalho? Já observou o que você tem feito com as suas 24 horas todos os dias? Trago esse questionamento, essa abordagem de tempo, de visão de ideias, pensamentos para dizer que, de fato, os nossos resultados vão depender exatamente de como usamos todos os nossos recursos e os potencializamos com os resultados que somos capazes de gerar através deles.

Quando digo que o nosso sucesso está do pescoço pra cima é porque o sucesso não está ligado com o que nossas mãos são capazes de fazer, mas sim a tudo o que envolve o pensamento, o que ouvimos, o que falamos e o que vemos.

Exemplo

O mundo teve o prazer de conhecer um verdadeiro gênio dos tempos atuais que foi Stephen Hawking, um britânico que aos 21 anos foi diagnosticado com uma doença degenerativa: esclerose lateral amiotrófica, onde os médicos só deram mais três anos de vida, e com o passar dos tempos acabou perdendo todos seus movimentos e comandos do corpo.

A vida desse gênio nunca foi fácil. O grande físico e cientista ainda na adolescência, na escola, foi marginalizado pelos amigos que apostaram que no futuro ele não seria ninguém, mas isso nunca o consumiu. Imagino que só fortaleceu o que já existia dentro dele, que era o sentimento de revolta, da não aceitação do que as pessoas achavam sobre ele, fazendo com que a opinião ou o desejo dos “amigos” não viesse a se tornar uma “verdade verdadeira” em sua vida.

O que Stephen Hawking construiu, mesmo com todas as suas limitações físicas, vai ficar na história da humanidade. Segundo alguns físicos, ele era um cérebro andante em uma cadeira de rodas na universidade onde ministrava aulas. Físicos de todo o mundo reconhecem que os pensamentos dele certamente servirão de inspiração para milhares de físicos e pessoas do mundo inteiro.

No dia 14 de março (de 2018), no aniversário do também gênio Albert Einstein o mundo noticiou a morte de Stephen Hawking. A notícia dizia que o cientista estava preso a um corpo miúdo e paralisado, mas sua mente não tinha fronteiras, pois era aberta para o mundo com uma vida ligada aos mistérios da ciência. Ele costumava  dizer que o nosso corpo é limitado, mas temos uma mente livre para explorar o que quisermos.

Inspiração

Em meados de 2019, tive o grande prazer de conhecer uma pessoa que, com certeza é fonte de inspiração pra mim e pra muita gente no Brasil: Marcos Rossi. Quando conheci sua história, percebi o quanto nossos problemas são insignificantes, pois sua alegria me contagiou e certamente fez muita diferença na minha vida.

Marcos Rossi é surfista, skatista, mergulhador, DJ, integrante de bateria de uma escola de samba, vocalista de uma banda, músico da avenida Paulista, comediante, funcionário de um banco, formado em Direito, palestrante internacional, casado, pai de dois filhos e… feliz!

Essas características parecem ser de uma pessoa bem ativa, talvez bem imperativa e no mínimo uma pessoa qualquer, mas, com certeza não pertencem a qualquer pessoa. Todas são de Marcos Rossi, portador da raríssima Síndrome de Hanhart, nascido sem braços nem pernas, sem falar que também é escritor e lançou um livro chamado “O que é impossível para você?’’

Na vida de Marcos Rossi, as chances de que as coisas dessem errado eram muito grandes, mas ele sempre desafiava todas elas. A mensagem que ele passa com seu trabalho é que a limitação é um conceito que está dentro da cabeça das pessoas, pois fazer ou não fazer uma coisa depende exclusivamente de você. Porque o tempo na nossa vida passa muito depressa.

Além de dar uma grande lição de vida, Marcos leva alegria e inspiração por onde passa – sempre de forma muito descontraída e sem qualquer vitimização. Apesar de toda limitação de mobilidade física, Marcos Rossi tem sua rotina de muito trabalho, se tornado um grande palestrante internacional sendo fonte de inspiração para o mundo!

Toda nossa capacidade intelectual, cognitiva e até mesmo o sucesso e o fracasso estão dentro de nós mesmos e, especificamente, na nossa cabeça. Os nossos resultados vão depender da qualidade dos nossos pensamentos, nossa visão e, quando falo de visão, falo da visão da mente. Devemos enxergar o que ninguém mais enxerga. Irmos além.

É bem verdade que o que mais nos contamina é o que mais sai da nossa boca, sejam palavras positivas ou negativas. E afinal, como tem sido a qualidade das suas palavras?

Você passa mais tempo reclamando ou agradecendo?

Potencialize todos os recursos que possui do pescoço pra cima e certamente sua vida será diferente!

 

 

19/02/2020 01:12
Leitura: diferencial do empreendedor de sucesso!
A leitura nos oferece uma viagem a um mundo de possibilidades, conhecimentos, encontros, desencontros, entendimentos e tudo isso representa algo muito poderoso que é o aprendizado!

É inteligente aprender com nossos erros, porém é sábio aprender com os erros dos outros. Essa é uma frase que sempre digo e é exatamente isso que a leitura nos proporciona: ter acesso às experiências vivenciadas por outras pessoas que acertaram ou erraram e aprendermos com isso sem precisar que passemos pelas mesmas situações.

A leitura nos oferece uma viagem a um mundo de possibilidades, conhecimentos, encontros, desencontros, entendimentos e tudo isso representa algo muito poderoso que é o aprendizado!

Bem sabemos que a leitura é um grande motor no processo de desenvolvimento intelectual. Através dela conseguimos um enriquecimento pessoal e intelectual, visto que o crescimento profissional de um empreendedor depende, em grande parte, do nível de conhecimento adquirido ao longo da vida.

Ler é ampliar a percepção, é ser motivado à observação de fatos que antes passavam despercebidos. Ler é capacitar-se para perceber e aprender a ler a vida.

O conhecimento através da leitura é essencial, indispensável e uma importante ferramenta na vida do empreendedor.

Pensar fora da caixa através da leitura

Antigamente a leitura era considerada simplesmente um meio de receber uma mensagem importante. Com o passar dos anos, o ato de ler surge como um processo mental em vários níveis e contribui para o desenvolvimento da inteligência. Por essa razão, a leitura é uma forma exemplar de aprendizagem e também é um dos meios mais eficazes de desenvolvimento da linguagem e da personalidade.

É através da leitura que podemos ter uma melhor compreensão do mundo, permitindo ter uma visão crítica da realidade. Aquele que não critica, apenas assimila e não forma sua opinião própria, repete o que recebe.

Por isso, não é por acaso que as sociedades menos desenvolvidas e mais dominadas são as que não têm acesso à leitura, são também aquelas que não admitem a ignorância pelo simples fato de achar que já sabem o suficiente para não precisar ler.

Por esses e outros motivos é que a leitura e os livros devem estar constantemente presentes na vida das pessoas que empreendem ou desejam empreender, não bastando apenas completar a sua educação escolar, mas ter acesso a ricas e diversas experiências que só se consegue através dos livros.

Mudança de vida por meio da leitura

Muitos empreendedores tiveram suas vidas impactadas por meio da leitura, seja ela uma biografia, autoajuda, cases de negócios ou mesmo uma obra de ficção.

Minha vida foi muito impactada através de um livro que encontrei aleatoriamente num supermercado, o livro de T. Harv Eker, “O segredo da mente milionária”. Posso dizer que após a leitura desse livro minha vida passou por um processo de transformação muito grande, e acabei encontrando respostas para muitas das coisas que na minha mente eram utopias, que eu imaginava que fossem impossíveis de acontecerem, mas sob uma perspectiva muito remota e através da vivência de T Harv Eker trouxe para minha vida muitas convicções e uma grande mudança de mentalidade.

A leitura faz o hábito

Podemos citar o incrível hábito de leitura de um dos homens mais ricos do mundo: Bill Gates, que apesar de ter sua agenda lotada, se recolhe, religiosamente, uma vez por mês, para uma cabana num lugar em meio à natureza, para fortalecer seus conhecimentos através da leitura, e segundo pessoas do seu convívio, ele leva toda sua seleção de livros que lê durante a semana no percurso da casa para o trabalho.

É incrível sua capacidade de focar na leitura. Bill Gates lê uma média de 150 páginas por hora, e para cada assunto que se dispõe a estudar lê no mínimo cinco livros. Quando alguém se dispõe a discutir com ele sobre algum tema, geralmente ele sabe mais do que a outra pessoa. Bill Gates apesar de ser um verdadeiro gênio visionário, aprimorou suas inspirações e sua visão de futuro através do conhecimento por meio da leitura.

Os livros são verdadeiras fontes de conhecimento para qualquer aspecto da nossa vida pessoal e profissional. Absolutamente tudo está nos livros!

Segundo o especialista em leitura, Edmo Magalhães, “quem não lê, tem que comprar cursos caros de quem leu, se quiser alcançar o conhecimento, porque está tudo nos livros! E o livro é um acesso democrático, por ser barato, por estar disponível a qualquer momento, à mão.

O problema é que as pessoas têm o mau hábito de quando compram um livro, não terminam de o ler, e às vezes quando terminam, não lembram do conteúdo, ou não têm o hábito suficiente da leitura para criar o entendimento sobre aquilo. E isso é mais prejuízo!

As pessoas chegam pra mim e dizem que têm muita dificuldade de ler, mas que adoram ir às livrarias, porque são bonitas, coloridas, gostam do cheiro do livro e do processo da compra, mas não conseguem ler um livro inteiro. Aí eu as questiono se quando vão a um curso caro ficam até o final ou saem na metade? E me falam que são os últimos a sair. E por que então com o livro não é a mesma coisa?

O problema disso tudo é que o cérebro criou o vício da procrastinação e o hábito da fuga. Segundo os ensinamentos de T. Harv Eker, do jeito que você faz qualquer coisa é exatamente como você faz tudo. Ou seja, o problema de você alimentar o hábito de começar e não terminar é que você reforça a trilha neural da procrastinação, da autossabotagem. Então, de acordo com essa linha de raciocínio, quem tem dificuldade de começar um livro e não terminar, muito provavelmente também tem o mau hábito de começar um projeto e não terminar.

Entendendo isso, se a pessoa fizer uma reeducação da força de vontade de concluir um livro, o cérebro criará uma outra rota e passará a tratar os outros projetos, as outras coisas da vida com mais força, mais visão. Porque ler um livro também exige força de vontade e determinação”.

Certa vez um sábio disse aos seus servos que não devemos confiar em um homem que muito fala e não tem uma biblioteca em casa. É bem verdade que, para muitos, ler não é uma atividade muito prazerosa. Acham a leitura tediosa, chata, principalmente para a grande parte dos empreendedores que têm perfil predominantemente mais impaciente, pois acreditam estarem perdendo tempo.

A experiência da leitura é altamente válida e enriquecedora em todos os sentidos. Para que o hábito se torne algo prazeroso, comece procurando livros que tenham a ver com a sua personalidade, gêneros que mais goste, livros de pessoas com uma história de vida que possam ter lições valiosas, enfim. Alguns livros podem não ser tão prazerosos assim, mas para nos desenvolvermos e crescermos de fato é preciso aprendermos a priorizar o que é importante e não somente o prazer! Isso vale para os livros, mas também para a vida!


 

12/02/2020 12:41
Como empreender usando o tempo e o dinheiro dos outros?
O conceito de fazer mais com menos está inteiramente ligado à capacidade de gerar o máximo de resultados com um mínimo possível de recursos.

O conceito de fazer mais com menos está inteiramente ligado à capacidade de gerar o máximo de resultados com um mínimo possível de recursos. Mas nem sempre percebemos quais recursos possuímos, por acreditarmos em algo que, muitas vezes, temos como “verdades absolutas”.

Sempre ouvimos falar que dinheiro não dá em árvore; que só ganha dinheiro quem tem dinheiro; e muitas outras questões que nos acompanham ao longo da vida. Eu também já pensei assim, mas o que devemos fazer para sair do lugar-comum é questionar o óbvio!

É fato que dificilmente se consegue mudar de vida e ganhar bastante dinheiro trabalhando com as mãos. Se fosse assim todos os trabalhadores operários não precisariam sofrer tanto e ganhar tão pouco.

Mas precisamos entender que dentro de nós existe uma forca capaz de mudar nossa vida. Essa força pode ser seu conhecimento, suas experiências, sua visão, sua fé, tudo isso forma um capital muito poderoso que podemos chamar de capital intelectual e por isso devemos nos questionar sobre algumas dessas “verdades” que aprendemos ao longo da vida.

Pensar fora da caixa é questionar o óbvio, é se perguntar “por que não realizar o sonho da minha vida?; por que não viver tudo aquilo que nasci para viver?; por que não ter a tão sonhada liberdade financeira???”

É nesse processo de questionamento que percebemos o quanto temos de habilidades e recursos para gerar a mudança de vida que precisamos. É perceber o que ninguém percebe; é saber se adaptar às situações e abraçar as oportunidades que estão ao nosso redor e até então não tínhamos percebido. E é nesse momento que identificamos que podemos potencializar tudo o que temos e sabemos para ganhar dinheiro. Mas, não basta apenas ganhar dinheiro por ganhar, mas alcançar a tão sonhada liberdade financeira.

Oportunidade x necessidade

Quanto maior for a necessidade, menor será a oportunidade. E certamente não se ganha dinheiro pela necessidade, mas sim pela oportunidade. Isso talvez seja o motivo de muitas tentativas sem sucesso. No momento que iniciamos um negócio já necessitando do resultado de algo que ainda não existe, estaremos totalmente em desvantagem, ou seja, totalmente na zona da necessidade.

Dentro de todas as experiências que adquirimos ao longo da vida, precisamos potencializar esse conhecimento para sabermos identificar o que é de fato oportunidade e o que é necessidade.

Investimento para inciar

Em alguns casos, é possível iniciar um negócio sem precisar de muito dinheiro, se o ramo que escolheu permite, se sabe o que quer fazer, gosta e vai arregaçar as mangas. Mas e se você precisa de dinheiro inicial para fazer acontecer e não tem. O que fazer então?

Você pode ter uma ideia de negócio que pode ser muito bacana e rentável, mas não ter o capital financeiro necessário para tirá-la do papel. E aí muitas pessoas tentam um empréstimo com o banco, por exemplo, e outras até desistem. Ou o contrário, você pode ter dinheiro, mas não saber o que fazer com ele. É aí que entra talvez uma ótima alternativa, o sócio investidor, ou investidor anjo.

Antes de tudo cabe aqui explicar o que seria um Investidor Anjo. É geralmente um empresário, empreendedor ou executivo que já trilhou uma carreira de sucesso, acumulando recursos suficientes para alocar uma parte (normalmente entre 5% a 10% do seu patrimônio) para investir em novas empresas, bem como aplicar sua experiência apoiando a empresa. - Fonte: Anjos do Brasil.

O cenário do Investidor Anjo no Brasil é bem animador e a cada dia cresce mais, principalmente com a ascensão das startups. O mundo inteiro vem adotando esse modelo de negócio.

Se você tem uma ideia e tempo para trabalhar e alguém tem o dinheiro para investir, o que chamamos de sociedade complementar, ambos poderão usufruir dos resultados a curto e médio prazo. Para isso, basta que cada um de fato se complemente e colham os frutos de maneira saudável e não gananciosa. Ou seja, se você é o sócio que entrou com o tempo e o trabalho, é preciso que compartilhe os resultados, mesmo se o seu sócio-investidor (anjo) não trabalhe de fato no negócio. Mas entender que sem ele não seria possível ir adiante mais rapidamente, é primordial!

Compartilhar faz parte! Com isso, você realizará seus projetos e alcançará sua tão sonhada liberdade financeira de maneira mais rápida, mas com muito trabalho!

Precisamos de pessoas que nos complementem na hora de fazer um negócio, e, na prática, é o que acontece com os investidores-anjos no Brasil.

Segundo a Anjos do Brasil, ano passado, apesar de a instituição ter registrado somente 7.616 investidores pessoas físicas, o volume de investimentos vem crescendo ano após ano e já chegaram ao patamar de R$ 1 bilhão investidos. Isso porque aumentou a segurança jurídica, divulgação de exits e unicórnios brasileiros como 99, Pagseguro e Nubank, além de ter tido queda da taxa de juros e o aumento dos investidores anjo de forma proativa.

Tudo isso não aconteceria se não existissem pessoas com capital precisando de outras pessoas com boas ideias e tempo para dedicarem a multiplicar o dinheiro investido.

Cenário positivo para o empreendedor

Atualmente existe uma gama de opções para aquisição de recursos para se empreender. De acordo com o diretor da Andrade Consultoria e Investimentos e consultor financeiro, Francisco Andrade, esse é o melhor momento para as pequenas e médias empresas buscarem financiamentos, principalmente após a queda da taxa de juros básica, a Selic, definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). O mesmo indica o Banco do Nordeste como um dos melhores parceiros para o desenvolvimento. De acordo com a instituição, o valor destinado do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE)  para o Nordeste será de 29,3 bilhões. A oferta de crédito já tem taxas a partir de 0,37% ao mês. É a taxa mais competitiva nesse momento, segundo o consultor. Isso significa que mais pessoas poderão investir em seus negócios e poderão pagar juros bem menores do que os praticados por aí.

Saber empreender

Certo dia em uma conversa com o meu gerente do banco ele olhou pra mim e com uma cara bastante cansada falou: - André, gostaria muito de saber empreender. Se você me der R$ 1 milhão para investir em um negócio, certamente não vou saber o que fazer. O máximo que conseguiria, seria fazer algumas aplicações.

Abrir um negócio não é fácil nem com muito dinheiro!

Por isso eu sempre digo: valorize o seu capital intelectual, seus conhecimentos, sua visão, network, boas e más experiências, que certamente renderam bons aprendizados e contribuíram para a construção do seu capital intelectual, ferramenta muito poderosa para se ganhar dinheiro com o dinheiro dos outros. Pois não é todo mundo que sabe o que fazer com o dinheiro.

Dinheiro é resultado de tempo dedicado. Pessoas com dinheiro levaram tempo para ganhar dinheiro e certamente ao processar uma boa ideia usando tempo e dinheiro dos outros, você ganhará mais tempo e dinheiro gerando o máximo de resultado com o mínimo de recurso possível!

O processo de empreendedorismo é muito intuitivo. Mais vale o que você acredita do que o que você sabe. Se você acredita em uma ideia, siga em frente, mas se não tem certeza, não vá adiante!

Acredite na sua ideia, no seu instinto, por mais que as pessoas duvidem, persiga seus sonhos e, certamente, um dia você olhará para trás e verá que estava certo em suas escolhas e decisões!

 

       de   2    

AV. DESEMBARGADOR MOREIRA 2565
DIONÍSIO TORRES CEP: 60.170-002
FORTALEZA-CEARÁ | FONE: (85) 3198.8888
CNEWS@GRUPOCIDADECE.COM.BR
SIGA O CNEWS
COMO ANUNCIAR
DESENVOLVIMENTO