09/07/2020 08:47
Como não levar gato por lebre na hora de trocar o veículo
Diferente de comprar um carro 0 km, a compra de um seminovo ou usado precisa de atenção a mais do condutor ao iniciar a pesquisa.

 

Diferente de comprar um carro 0 km, a compra de um seminovo ou usado precisa de uma atenção a mais do condutor ao iniciar uma pesquisa. Valores, modelo, acessórios são alguns dos principais pontos observados por quem busca um veículo. Já outros detalhes que podem evitar muita dor de cabeça passam batido, como documentação, situação do estepe e irregularidades na pintura.

 

 

E pra não levar gato por lebre, fique atento a um check list que o Sobre Rodas preparou:

Onde comprar

Inicie a pesquisa por uma concessionária ou loja. Por meio desses locais você acessa veículos filtrados, que foram revisados e tiveram possíveis questões analisadas, como a ocorrência de recuperação de um sinistro e até se há bloqueios administrativos. Locadoras também oferecem bons veículos, já que a maioria adquire os carros de um único dono.

Observe os detalhes

Faça uma análise detalhada de todos os itens de segurança a iniciar pela validade do extintor, passando pela existência de chave de rodas, triângulo e até a condição do estepe. E não esqueça de checar o nível de óleo e solicitar o histórico de manutenção do veículo.

Possíveis batidas

Nem sempre é fácil ver de cara se o carro foi batido ou se já encarou uma enchente. O indicado é verificar o alinhamento de portas, capôs e porta-malas, se há irregularidade nos tons da pintura e olhar minuciosamente os parafusos, em especial das portas e tampas. Parafusos de fábrica, geralmente são pintados na cor da carroceria. Quando eles são de outros tons, é porque já houve algum conserto.  

Mecânica

Vamos à prática! Algo básico e não menos importante é ligar o carro, dar uma volta no quarteirão e observar os níveis de ruído na cabine, de vibração do volante e da alavanca de câmbio. Cheque também se há folga no pedal de freio e como o veículo se comporta quando passa em um buraco. E sabe aquele profissional em mecânica que cuida dos carros de toda família há anos? Não deixe ele de fora dessa revisão tão fundamental.

Após a compra

Após adquirir o veículo, a parte burocrática de documentação deve ser iniciada. Muitos Departamentos Estaduais de Trânsito disponibilizam um passo a passo para a consulta do condutor em suas páginas na internet. Se a nova aquisição tiver débitos de licenciamento, por exemplo, é preciso quitar os débitos para que a transferência seja feita.

Autenticidade do chassi e motor

O Detran orienta que é possível entrar em acordo entre comprador e vendedor para a realização de uma vistoria. Ela pode atestar a autenticidade da legalidade do motor e do chassi do veículo, além dos equipamentos obrigatórios, como extintor e espelhos retrovisores.

Se você nunca ficou atendo a esses pontos na hora da compra de um veículo seminovo ou usado, então tome isso como regra para as próximas trocas.

 

02/07/2020 08:11
A eficiência do ar-condicionado está ligada ao uso adequado do item

Em cidades quentes como Fortaleza, o ar-condicionado é quase um item de sobrevivência. Ele ajuda a amenizar altas temperaturas e a tornar o deslocamento dos condutores mais confortável.

Mas para que ele alcance pleno funcionamento com o uso correto, alguns pontos devem ser observados. O Sobre Rodas listou alguns para você.

 

Apontar a saída de ar para cima

Apontar a saída de ar para si não é indicado quando o assunto é amenizar o calor. Ao invés de apontar pra si, o indicado é manter o foco da direção do ar-condicionado pra cima. Assim, toda a cabine será refrigerada a partir do teto. Como o ar frio é mais denso do que o quente, ele irá descer naturalmente.

Abrir as portas antes de ligar o ar no calor

Nada de ligar o ar-condicionado no máximo, após deixar o carro por horas no sol. Caso isso ocorra, o sistema irá recircular o ar quente por muito tempo. O ideal é abrir as portas, descer os vidros e esperar um ou dois minutos antes de entrar no veículo, fechar as portas e ativar o ar-condicionado. Isso faz com que a temperatura caia de modo gradual.

Realizar manutenção do ar-condicionado

Qual foi a última vez que você realizou a manutenção do ar-condicionado do seu veículo? O quê? Nunca? Saiba que isso pode acarretar prejuízo ao veículo e ao seu bolso. Assim como o óleo, pneus e freios, o ar-condicionado precisa de manutenção. O filtro deve ser trocado a cada 15 mil km. Se isso não for feito, pode ocorrer o acúmulo de sujeira ao ponto de entupir algumas das passagens, provocando perda de eficiência e até problemas de saúde por conta dos fungos, ácaros, vírus e bactérias.

 

Após essas orientações agora é só realizar os trajetos de forma mais confortável com o uso adequado do ar-condicionado.

19/06/2020 07:28
Como saber se o veículo precisa de alinhamento ou balanceamento?
Muitas pessoas confundem o alinhamento com o balanceamento das rodas. Saiba que são serviços bem diferentes e próprio veículo pode dá sinais da necessidade ou não.

É comum o mecânico realizar o alinhamento e balanceamento nos pneus quando levamos o carro para a revisão periódica. Mas será todos sabem da importância de cada um dos procedimentos? O alinhamento é o ajuste dos ângulos das rodas para que obedeçam às especificações do fabricante do veículo. Já o balanceamento, possibilita que as rodas girem sem causar vibrações na hora da condução.

Quando realizar o alinhamento?

Um teste rápido pode ser feito para saber se há real necessidade de realizar o alinhamento. Ao alcançar uma velocidade de aproximadamente 20 km/h ou 30 km/h, o condutor deve soltar rapidamente o volante e observar se ele está puxando para um dos lados. Se isso acontecer, significa que é preciso realizar o procedimento.

Se você notar que o veículo está puxando para um dos lados e não realizar o alinhamento, isso pode trazer prejuízo ao bolso.  O alinhamento pode minimizar possíveis desgastes e maximizar o conforto do motorista e passageiros. Além disso, os benefícios são inúmeros, como a redução do desgaste dos pneus, aumento da vida útil e o desempenho dos pneus e melhora na economia de combustível. É possível notar melhora ainda no comportamento e segurança da direção por reduzir os problemas de controle do volante e estabilidade.

Quando realizar o balanceamento?

De uma forma simples direta, o balanceamento deve ser realizado ao primeiro sinal de trepidação ou vibração. Ao alcançar velocidades acima de 50 km/h, o volante começa a vibrar e isso vai aumentando cada vez que o condutor acelerar mais. Este pode ser um sinal que é preciso fazer um balanceamento. 

O serviço fará com que o motorista tenha mais conforto na condução do veículo e na acomodação dos passageiros, além de influenciar diretamente no desempenho dos pneus.

Recomendação

É muito importante fazer as duas manutenções. Elas têm funções diferentes e são fundamentais para a vida útil e segurança dos pneus. A indicação é que, caso não note que o volante está puxando para um dos lados ou que está gerando vibrações, os procedimentos sejam realizados de forma preventiva pelo menos a cada 15 mil km e a cada troca de pneus.

 

Confira ainda outros conteúdos no Instagram so Sobre Rodas em @sobrerodas_ce!

08/06/2020 01:37
Saiba se você pode ter veículo PcD
Boa parte da população brasileira não sabe, mas se encaixa na modalidade de compra de veículo PcD (Pessoa com Deficiência)

Apenas em 2019, cerca de 215 mil veículos foram emplacados para o público PcD (Pessoa com Deficiência), segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). Isso significa que as vendas de carros para esse público nunca estiveram tão altas.


 

Estimativas apontam que, mais da metade da população brasileira tenha direito a comprar um carro PcD, com vantagem da isenção de impostos. Isso é possível, já que a lista de condições que dá direito à compra é extensa.

Se enquadram nesse cenário pessoas com doença ou problema que limite o ato de dirigir, que pode solicitar uma CNH especial e, então, dar entrada ao pedido de isenção de imposto. Algumas das patologias e condições são paraplegia: nanismo; cardiopatia grave; doença de Parkinson; HIV positivo e tendinite grave. Entretanto, adeficiência precisa ser considerada uma limitação que afete a mobilidade.

Isenções ao deficiente condutor

O deficiente condutor pode ter isenção total de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) e IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados). Inclui ainda a isenção do IPVA (Imposto sobre Propriedade de Veículo Automotor). Já no caso de menores de idade, pessoas com deficiências mentais, visuais e não habilitadas, o laudo deve ser em formulário não padrão da Receita Federal, emitido por unidade de saúde pública ou privada credenciada pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Pessoas com deficiência também podem adquirir veículos híbridos e elétricos novos, com isenções de IPI e IOF, independente de onde o automóvel foi produzido.

Como adquirir carro PcD 

O laudo médico é o primeiro passo antes da requisição das isenções. Para pessoas habilitadas, o documento é obtido no Departamento Estadual de Trânsito (Detran), que avalia se o motorista possui necessidade de adaptação no veículo para dirigir.

O IOF (Imposto sobre Operação Financeira) e IPI (Imposto sobre Produto Industrializado), devem ser solicitados na Receita Federal. Após a compra do veículo, a Secretaria da Fazenda deve ser procurada para a isenção do IPVA (Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores).

O total dos descontos com as isenções pode chegar a até 30%.

Quer conferir a lista com todas as patologias e condições para adquirir um veículo PcD com isenção de impostos? Então acessa o Instagram http://encurtador.com.br/dlyJN  que preparamos um conteúdo completo pra você!

12/03/2020 12:07
Escolha o modelo de bicicleta indicado para sua altura
Praticar atividade física, optar por um novo modal de transporte, sair da rotina. Muitos são os motivos para a adoção da bicicleta em nosso dia a dia.

O Sobre Rodas vai mostrar um ponto fundamental para quem quer começar a dar as primeiras pedaladas: a altura ideal da bicicleta. Isso pode evitar o aparecimento de dores, lesões e outros problemas de saúde. Mas,além disso, pode trazer benefícios quanto a melhora no desempenho do ciclista durante a pedalada. Por isso, é importante escolher o modelo certo, que se adapte ao seu corpo.


Uma forma interessante para saber o tamanho do quadro (base central em que as rodas e os demais componentes são montados) ideal para a sua bicicleta é medir a altura do cavalo (medida total da perna). Pode parecer um pouco estranho, mas a medição é bem simples.

Basta ficar descalço e de costas para uma parede com os pés um pouco afastados. Depois, faça uma marca com lápis na altura máxima que conseguir chegar entre as suas pernas, bem próximo à virilha. A distância entre o risco e o chão é a medida do seu cavalo (CV). Certo!?

O próximo passo é saber o tamanho do quadro ideal de uma “speed”. Pra isso, multiplique o número da medida do seu cavalo por 0,65 (Fórmula: CV x 0,65 = tamanho ideal da “speed”). Acompanhe o exemplo: para uma pessoa com 80 cm de CV, o quadro ideal de uma bike de estrada será de 52 cm.

Agora para quem utiliza mountain bike (MTB), é só seguir a fórmula a seguir: CV/2,54 - 14. utilizando a mesma medida do exemplo acima de 80 cm. Com isso, o quadro ideal é o de 17 polegadas (80/2,54 = 31,4 - 14 = 17,4).

Depois de encontrar a altura ideal, agora é só escolher a cor e estilo que mais têm a ver com sua personalidade. Sabe como é, né!? A questão do tamanho da bike é igual comprar roupa, existem tamanhos adequados para cada tipo de corpo. O Sobre Rodas espera ter te ajudado com essa escolha inicial. Boa pedalada!!

Essas e outras dicas você acompanha no quadro Sobre Rodas, toda quinta-feira, no jornal Ceará no Ar, a partir das 6h 30, na TV Cidade I Record Fortaleza I Canal 8.1.

Siga-nos no Instagram:  @sobrerodas_ce  I  @rerison_real  I  @debrinhasb

 

 

25/02/2020 08:26
Dicas para economizar combustível
Em tempos de alta nos combustíveis, quem consegue economizar é rei. No dia 19 de fevereiro, o consumidor se deparou com um aumento da Petrobras. Então, vamos economizar!

Em tempos de alta nos combustíveis, quem consegue economizar é rei. No dia 19 de fevereiro, o consumidor se deparou com um aumento. A Petrobras elevou o preço médio da gasolina em suas refinarias em 3%, no que foi o primeiro aumento do combustível neste ano após quatro cortes em 2020. Então, o que nos resta é encontrar diversas possibilidades para que esse líquido tão precioso dure o máximo que puder. Confira algumas dicas que o Sobre Rodas preparou!


1. Pneus calibrados

Pode até não parecer, mas os pneus influenciam e muito no rendimento do carro. Quando estão mal calibrados, o motor  trabalha mais para fazer o carro rodar e, com isso, eleva o consumo do combustível. A calibragem correta para render uma economia de 1,5% a 3% no consumo. O conselho é consultar o manual do veículo.

2. Carro leve

Dentro do carro, somente o necessário — retire malas, livros, brinquedos de crianças, entre outros objetos. Isso, na soma geral, ocasiona excesso de peso no veículo e um esforço maior do motor e claro, aumento no consumo.

3. Velocidade

Se o seu objetivo é gastar menos, não corra! Procure não andar apressado, saia sempre com antecedência. Isso pode ajudá-lo. Se a velocidade máxima de uma rodovia é 100 km/h, ande a 80 km/h. É uma pequena diferença que no final pode sim diminuir o consumo.

4. Aerodinâmica

Dirigir o carro de vidros abertos, além de perigoso (inseguro) na maioria das cidades, cria um atrito aerodinâmico que gera aumento no consumo de combustível. Com as janelas abertas, a superfície deixa de ser lisa e o contato com o ar aumenta, forçando o motor do carro a trabalhar um pouco mais e, por consequência, gastar mais gasolina ou etanol.

5. Evite andar com pouco combustível

Mantenha o tanque de seu carro sob controle. Ao mesmo passo que evitará “ficar no prego” também não o obrigará a abastecer em qualquer posto que encontrar no caminho, e que você desconheça a qualidade do combustível. Então só abasteça em locais de sua confiança. Quanto menos combustível tiver dentro do tanque, mais evaporação ocorrerá.

6. Alinhamento

Um alinhamento “OK” também colabora com a economia de combustível. Quando as rodas não estão alinhadas arrastam-se gerando mais trabalho ao motor e, com isso, mais gasto de gasolina ou etanol. Além disso, um desgaste maior dos pneus vai diminuindo a vida útil desses itens.

7. Ar condicionado

Em cidades como Fortaleza onde as temperaturas são quase sempre elevadas quem não prefere circular em um veículo com ar condicionado? Porém, o ideal é que você se mantenha no friozinho, com o carro a uma velocidade média de 60 km/h. Velocidades abaixo dessa, consumirão combustível em excesso. Isso porque o trânsito engarrafado força o carro a gastar mais.

Como você viu há muitas formas de economizar combustível e colocando em prática todas ou até mesmo algumas é sim possível ter uma diminuição nos gastos com um produto que aumenta e muito o orçamento dos proprietários de veículos. Até a próxima!


Siga-nos:   @sobrerodas_ce  /   @rerison_real   /  @debrinhasb

10/02/2020 10:12
Tudo sobre as placas Mercosul no Ceará
Desde segunda-feira, 3, início da obrigatoriedade em alguns casos, a mudança no Estado já registrou mais de 535 implantações.


placa Mercosul é a placa de identificação dos veículos, mas é conhecida pelo padrão Mercosul, já que segue o mesmo modelo para todos os países que fazem parte do bloco econômico. Entre eles, estão Argentina, Uruguai e Brasil.

Calma! O Sobre Rodas simplifica. Isso quer dizer que as PIV (Placa de Identificação Veicular) de todos os países do bloco serão as mesmas, seguindo o mesmo padrão e diferenciando-se pela nacionalidade.

A determinação pelo formato da nova placa foi realizada pelo Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), órgão vinculado ao Governo Federal. Desde 2018, alguns estados seguem implantando a mudança aos poucos.

Novidade no Ceará

Essa novidade passou a valer no Ceará, desde a última segunda-feira, 3, data limite para que o Estado aderisse ao formato. Em poucos dias, mais de 535 veículos já receberam a placa Mercosul nos postos do Departamento Estadual de Trânsito (Detran). 

No Detran, o proprietário deverá registrar, vistoriar e pagar as taxas de mudança de placa. As placas Mercosul são instaladas em estampadoras credenciadas em editais e não no Detran, hein.

Mas você sabe em quais casos ela é obrigatória? A questão está gerando muitas dúvidas nos condutores. Saiba que o novo modelo será obrigatório apenas nos casos abaixo:

• Primeiro emplacamento;
• Placa antiga, no caso de mudança de município ou unidade federativa;
• Ocorrência de roubo, furto, dano ou extravio da placa;
• Quando há troca de categoria;
• Casos com necessidade de instalação da segunda placa traseira.

Posso trocar a placa voluntariamente?

Pode. Quem quiser pode realizar a mudança de forma espontânea. No entanto, quem não optar pela nova placa, pode continuar com a atual placa cinza até o fim da vida útil do veículo.

Mudanças

Os sete dígitos na placa permanecem. Porém, com quatro letras e três algarismos.  Outro ponto é que a sequência não será de letras e números seguidos. Ficará intercalada: LLL NLNN – sendo L para letra e N para número. 

Visualmente, a nova placa gera surpresa. O aspecto é bem diferente apenas o tamanho é o mesmo. A tarja preta com o nome da cidade dá lugar a uma faixa azul com o nome e bandeira do país. As cores da combinação alfanumérica mudam de acordo com a função do veículo, mas o fundo é sempre branco.

A tecnóloga chega com um QR code, com o qual será possível descobrir todas as informações sobre o veículo.

E aí, ficou alguma dúvida? Caso algum ponto não tenha ficado claro, o Sobre Rodas aconselha que você procure o www.detran.ce.gov.br/ para mais esclarecimentos.

Ah, não esquece de acompanhar outras novidades em nosso perfil no Instagram @sobrerodas_ce. Valeu!!

 

 

 

 

28/01/2020 12:41
A história do Fusca no mundo e no Brasil
Descubra a relação entre o Fusca e a Segunda Guerra Mundial

Você sabia que a mesma mente cruel que comandou o holocausto judeu, provocou a Segunda Guerra Mundial e levou a Alemanha à ruína foi essencial para a criação do carro mais simpático e vendido no mundo?

Isso mesmo. Embora jamais tenha aprendido a dirigir, Adolf Hitler, político alemão que serviu como líder do Partido Nazista, era fã de automóveis e encomendou o desenvolvimento de um “carro do povo” — volkswagen, em alemão — que acabou caindo nas mãos de Ferdinand Porsche, em 1932. Já pensou que se não fosse Hitler você não teria assistido o clássico das telas “Se meu fusca falasse” e jamais teria escutado a música “Fuscão preto”!

Porsche acreditava que um automóvel para ser popular deveria ser leve e transportar até cinco pessoas, além de alcançar e manter velocidades de até 100 km/h. O primeiro protótipo do Fusca foi concluído em 1936, com design baseado no Typ 12, modelo de automóvel projetado pelo engenheiro em 1931.

No ano de 1938, o Fusca começou a ser produzido apenas para atender ao mercado alemão e foi vendido de forma concentrada para a elite do país no período da Segunda Guerra Mundial. Com o fim da guerra, em 1945, a frente de ocupação britânica assumiu a fábrica que foi reconstruída e voltou a produzir o Fusca que passou a se chamar Volkswagen Sedan. Ao todo, 20 mil unidades do carro foram fabricadas, com o objetivo de retomar o desenvolvimento da economia alemã após a guerra.

Outros países conheceram o Fusca a partir de 1947, ano em que o modelo foi exportado para Holanda, Bélgica, Suíça e Dinamarca. Dois anos depois, foi a vez do carro ser lançado nos Estados Unidos, onde a economia efervescia no período pós-guerra e alavancou as vendas. A incrível marca de um milhão de carros produzidos, foi alcançada em 1955. 

Desde 1849 presente nas Américas, o Fusca se tornou um sucesso de vendas nos países latinos, principalmente pelo fato de seu valor popular e acessível. Em 1973, foi inaugurada no México, uma fábrica na cidade de Puebla e, um terço das vendas de automóveis no país, eram de Fuscas. 

Fusca no Brasil

Os brasileiros conheceram de perto o Fusca em 1953, com fabricação nacional a partir de 1959 na cidade de São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo. No Brasil, a produção do automóvel foi interrompida em 1986 e retomada em 1993, a pedido do então Presidente da República Itamar Franco.   

O final definitivo do Volkswagen Fusca no Brasil ocorreu em 28 de junho de 1996, quando saiu oficialmente de linha. Para coroar o momento, ganhou uma série limitada batizada de “Ouro”, com 1.500 unidades. Duas releituras modernas ainda acompanharam o Volkswagen. Em 1998, a marca apresentou o New Beetle, que tinha a mesma plataforma e motores de Golf e Bora. A produção durou até 2010.

A segunda geração moderna foi apresentada em 2011, já como modelo 2012, com o novo Beetle. O carro apresentava um motor turbo 2.0 de até 211 cv e um câmbio automatizado de seis marchas.

       de   1    

AV. DESEMBARGADOR MOREIRA 2565
DIONÍSIO TORRES CEP: 60.170-002
FORTALEZA-CEARÁ | FONE: (85) 3198.8888
CNEWS@GRUPOCIDADECE.COM.BR
SIGA O CNEWS
COMO ANUNCIAR
DESENVOLVIMENTO